Arquivo | Sustentabilidade RSS for this section

Sempre rir

E não é que os pais do “bebê Itaú” foram entrevistados pela agência Africa? Neste filme, eles contam sobre a origem do vídeo que fez sucesso na Internet e que acabou sendo a base para o comercial do banco na campanha “Sem papel”. De quebra, esclarecem a polêmica da estampa da almofada no vídeo.

Mais detalhes no Portal Exame. Dica de link do amigo Vinicius Gouveia.

Anúncios

Texto com sentido

“Lorem Ipsum” é uma ferramenta que há cinco séculos tem sido utilizada para simular textos que ocupam espaços em branco, em trabalhos como diagramação de livros ou peças de comunicação. Seu objetivo, resumidamente, é facilitar o trabalho da diagramação antes que o texto final seja aplicado.

Visando aproveitar esse espaço “desperdiçado” para leitura, ainda que venha a ser substituído por outro texto, a Leo Burnett Tailor Made e o Instituto Akatu desenvolveram o Akatu Ipsum, uma ação que tem por objetivo trocar o antigo gerador/marcador de espaço de texto Lorem Ipsum por mensagens reais de consumo consciente. Na prática, funcionaria como a simulação que fiz no espaço logo após este vídeo, na cor verde, em que o texto foi gerado no Akatu Ipsum, copiado e colado na área que, numa situação real, seria posteriormente substituído por um texto final.

Este texto foi gerado pelo Akatu Ipsum e é um incentivo ao consumo consciente.

Refletir: Lembre-se de que qualquer ato de consumo causa impactos do consumo na sua vida, na sociedade, no país e no planeta. Procure potencializar os impactos positivos e minimizar os negativos.

Conheça e valorize as práticas de responsabilidade social das empresas
Em suas escolhas de consumo, não olhe apenas preço e qualidade do produto. Valorize as empresas em função de sua responsabilidade para com os funcionários, a sociedade e o meio ambiente.

Com informações do Meio & Mensagem.

Um desabafo bem original

São Paulo entra nesta quarta-feira, dia 25, na lista das cidades em que o uso de sacolas plásticas em supermercados será descontinuado. Bom para a natureza, claro, mas melhor ainda se entendermos a iniciativa com bom humor, como no vídeo abaixo.

Vídeo divulgado no site Parafernalha (ago/2011).

Caju do bem

Vale a pena divulgar uma boa iniciativa, ainda mais quando ela permite gerar mais de 100 frentes de trabalho em uma região que não oferece muitas oportunidades. Trata-se da “Castanha de Caju”, ação empreendida pela ONG Amigos do Bem. O produto (foto acima) tem distribuição pela rede Extra e Pão de Açúcar. Conheça mais detalhes, clicando aqui.

Com a colaboração da amiga Carol Violla.

Não é o que você pensou

Meio ambiente, natureza, fontes renováveis de energia. Se você não conhece o comercial abaixo, produzido na Austrália, assista até o fim para descobrir qual o produto que realmente é anunciado.

Descarte com consciência

Sem me tomar pelo discurso “eco-chato”, dias atrás reservei um tempo para reunir, em casa, aquilo que chamaríamos de lixo eletrônico. De computadores e monitores velhos, encostados, passando por secretárias eletrônicas, celulares, videocassetes e TVs, até mesmo uma máquina de lavar antiga, encontrei de tudo. No final, listei mais de 40 itens de eletro-eletrônicos que precisavam ser descartados. Confesso que pesou muito a tal consciência ambiental e como descartar tudo isso de uma forma responsável.

Usei inicialmente o site Descarte Certo para verificar se meu lixo eletrônico poderia ser recolhido. Grandes redes, como o Carrefour, utilizam esse serviço e oferecem a seus clientes o recolhimento de um equipamento usado na contrapartida de você adquirir um novo. Não era meu caso. Para a retirada de todo o material, o simulador do site me apontou uma conta para mais de R$ 1.500,00 (eu deveria pagar esse valor pelo serviço de retirada com a garantia do destino ambientalmente correto). Quanto vale o descarte de lixo eletrônico feito de forma correta? Talvez não haja preço, mas devo admitir que não estava nem um pouco disposto a pagar esse valor.

Nesta reportagem do Fantástico, vi que alguns fabricantes poderiam ter políticas para retirada de produtos eletro-eletrônicos visando um fim ecologicamente correto aos seus equipamentos. Pesquisei em alguns sites e confirmei que a Dell, HP e Itautec são empresas que trabalham nesse sentido. Entretanto, minha lista de mais de 40 itens não seria atendida rapidamente e nem teria a cobertura de todos os fabricantes. Alguém aí tem produtos comprados de fornecedores sem consciência ambiental? Pense melhor pois lá na frente o descarte é praticamente impossível.

Enfim, acabei por consultar a lista do Instituto GEA, citado no programa da Rede Globo, e identifiquei a Oxigênio, uma Oscip (organização civil de interesse público ) que atua na área de promoção do desenvolvimento social e educacional, como instituição que aceitaria doações de material de informática e até dos aparelhos que descrevi anteriormente. Há mais instituições que trabalham com o propósito de recondicionar equipamentos em suas oficinas educacionais ou promover o descarte correto daquilo que não pode ser aproveitado. No caso da Oxigênio, a experiência foi muito positiva. Eles retiraram todo o material em meu endereço, sem restrições.

Se você pensa em fazer doações de seus velhos equipamentos (eletro-eletrônicos, produtos de informática), valem algumas recomendações, com base na experiência que tive. Primeiro, tenha consciência que você destinará preferencialmente a essas instituições equipamentos ou produtos que possam ser consertados ou reaproveitados de alguma forma. Faça uma lista completa dos itens a serem doados. Se a quantidade for pequena (às vezes a retirada pode não compensar por não estar na rota de transporte da instituição), o que não falta é alguém na família ou vizinhança que queira também descartar materiais eletrônicos.

Agrupe os itens da lista em categorias: Informática, Telefonia, Eletrônicos, Eletrodomésticos, Outros (móveis, por exemplo). Identifique uma instituição, próxima ao endereço para recolhimento, e faça o contato. Encaminhe sua lista para avaliação, por e-mail, e confirme se eles retiram realmente tudo o que foi listado. O interesse por uma categoria apenas, como produtos de informática, poderá não resolver seu problema, pois, você precisará recorrer a mais de uma instituição para dar um destino certo a todo o material. Após localizar quem se interessa por sua doação, combine o horário de retirada, confirme o nome do responsável e como o transporte será feito (se morar em apartamento, avise antes). Claro, certifique-se sobre o destino que seu material terá, pois o objetivo é descartar de forma correta, sem prejuízos ao meio ambiente.

Uma última dica é: faça a sua lista antes de “reunir” os objetos em um único local para facilitar a retirada. Depois de um dia, você lembrará de outros itens que havia se esquecido e estavam em uma gaveta (celulares antigos), no armário (secretária eletrônica), na garagem (estabilizadores queimados)…

No mais, boa sorte!

Nada nesta mão…

Há muitos meios para se aumentar as vendas de produtos e serviços. E “velhos truques” não serão nada eficientes para melhorar a percepção do cliente em torno de uma marca. Fazer “caridade” posteriormente – algo bem distante de uma cultura empresarial socialmente responsável – não justificará nunca esses meios. O que não é real, é só um show ensaiado. Afinal, aplausos duram alguns segundos até que  o cliente entenda de fato o valor do que adquiriu. E sem planejamento, isso pode acabar em chamas, ainda que sejam simuladas.

Acelerou sem sair do lugar

Tecnologia de “combustível limpo” é bom para o meio ambiente. Mas por que usar uma tentativa de suicídio como tema para vender um Audi? É esse o perfil de quem compra um? Um dos principais benefícios do produto pode ser percebido numa garagem de concreto?

Give me a break

Um desdobramento do caso “Kit Kat” da Nestlé, em que o Greenpeace aproveita a realização de uma assembléia de acionistas da companhia para um novo protesto:

Ver post relacionado a este assunto? Clique aqui.

Hora do café

Com o objetivo de incentivar as pessoas a adotarem canecas reutilizáveis evitando o uso dos copos de papel, a rede norte-americana Starbucks decidiu lançar a ação “The Big Picture – a green project”. “Uma pessoa pode salvar as árvores. Juntos podemos salvar as florestas”, lembra a campanha. 

Visitando o site da rede, fica claro que será concedido um desconto de 10 centavos de dólar por bebida a quem comparecer a uma loja Starbucks com uma “caneca de viagem reutilizável”. Na verdade, a promoção parece ser para quem comprar ou já tiver uma tumbler –  copo ou caneca de viagem reutilizável (recipiente térmico) -, um produto comercializado pela rede, com preços variando entre 8.95 e 19.95 dólares cada. No site brasileiro da Starbucks, isso está bem mais claro, pois a bebida, entre 15 e 30 de abril, será oferecida como cortesia para quem tiver ou comprar uma tumbler. Apenas para lembrar: os copos de papel utilizados pela rede já são feitos de material reciclável…

Em março, a ação gerou este vídeo em Nova York, em que podemos ver o desenho de uma “grande árvore”:

Por água abaixo

Biodegradáveis… Faz tempo que não ouço falar a respeito. Um breve alerta para refletir sobre  hábitos e escolha de produtos e seus impactos para a vida aquática:

Água, dona da vida

Neste Dia Mundial da Água lembrei da canção “Chega de Mágoa”, entoada por mais de 150 artistas brasileiros no projeto “Nordeste Já” (1985), uma espécie de “USA for Africa” tupiniquim. Se a seca no nordeste sempre foi um problema no país, a escassez da água no planeta assume uma proporção ainda maior. Em comum, as condições climáticas.

Preservar a água no planeta e pensar na logística de levá-la a lugares onde naturalmente  ela não chega continuarão sendo questões presentes em nossas agendas e das futuras gerações.

SMS ou SOS natureza?

O que você faria com muitos torpedos? A resposta, a ser dada pelo Twitter com a hashtag “#oquevcfaria”, garantirá o reflorestamento de 1 metro quadrado de mata nativa. Quem promete é a Vivo em parceria com o Instituto Ipê. A iniciativa, lançada em fevereiro, é interessante.

Depois vamos acompanhar o desenrolar dessa campanha, que termina em 27/3. O site é www.vivo.com.br/oquevcfaria.

Mudou o clima?

Tenho abordado em encontros do programa de Comunicação e Marketing a questão da responsabilidade socioambiental, o olhar para o desenvolvimento sustentável e a sua correlação com o marketing.

Quando contemplamos as necessidades de um cliente e seus desejos, somos capazes de oferecer a ele um produto ou serviço adequado, de forma que não causemos impactos ao meio ambiente? Utilizaremos recursos agora, os quais, nas dimensões possíveis, estarão disponíveis para gerações futuras? Qual fidelização passará a ser mais útil: a do cliente à nossa marca ou  a da marca ao meio ambiente?

A cada avanço, em intervalos de semanas, recebemos notícias de alguns desastres naturais. Há pouco tempo, foi em Portugal, na Ilha da Madeira; há dias, no Chile. Tempos atrás, no Brasil (Angra e São Luiz do Paraitinga), por chuvas, e no Haiti. Terremotos e enchentes parecem não dar trégua. Certamente deveremos pensar não só nos impactos das mudanças climáticas, mas em nosso papel como profissionais desta geração formando novas gerações.

Engradados de apoio social

Usar a forte distribuição de um refrigerante para levar a regiões carentes ajuda na forma de “produtos sociais”, como sais de reidratação oral e comprimidos de vitamina A. Uma ideia interessante…
Site: www.colalife.org.

Repensar negócios

Um tema sempre atual. O melhor é que faz parte de um dos programas que ministro atualmente em Comunicação e Marketing. O olhar para a sustentabilidade é também um exercício para os negócios da empresa.

Ideias gaseificadas

Pepsi Refresh Project é uma ação social da marca de refrigerantes que promete dar uma ajuda às comunidades carentes dos Estados Unidos. No ar desde o dia 13, a campanha vai envolver os próprios consumidores, os quais poderão colaborar com ideias e até com a implementação dessas iniciativas em diversas áreas como alimentação, artes e cultura, educação e saúde, entre outras.

Tomara que alguma outra marca proponha iniciativas semelhantes no Brasil para incentivar projetos nas comunidades que passam por “reconstrução” de seu espaço por tragédias como as que acompanhamos recentemente.

Iceberg?

Filme do Greenpeace. Rápido, inteligente e trágico.

Varejo sustentável

Roberta Cardoso, coordenadora técnica de Responsabilidade Social e Sustentabilidade no Varejo da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo/GVcev, fala nesta entrevista sobre os principais pontos do tema “sustentabilidade e estratégia no varejo”, abordados  durante encontro organizado pela Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), em Serra-ES. No site do GVcev, há mais informações sobre o setor varejista, bem como links para artigos e pesquisas.

Ajude o mundo

Este foi o filme de abertura da Conferência sobre Mudanças Climáticas (COP15) de Copenhague. Às vezes, o tratamento deste tema parece um tanto fantasioso, exagerado. Mas que seja assim para despertar a atenção e abrir o diálogo.

Se fizer, faça para o bem

Luiz Carlos Cabrera, professor e headhunter, lembra em entrevista à HSM Management o que acredita ser o melhor conceito de desenvolvimento sustentável, criado em 1987 por Gro Harlem Bruntland, ex-ministra da Noruega: “Desenvolvimento sustentável é suprir as necessidades da geração presente sem afetar as habilidades das gerações futuras de suprir as suas”.

De pleno acordo. Em resumo, continua valendo a velha frase “se não for para ajudar, então não atrapalhe”.

Perto do fim?

Diz a profecia maia que o mundo acabará em 21/12/2012.  Se estou certo, outros já disseram que o fim do mundo estava anunciado para o ano 2000. No máximo, nesse caso, passamos perto do ‘bug do milênio’ e a ele sobrevivemos. Ficção ou não, o mistério sobre o mundo acabar tem movimentado milhões nos cinemas. Um dos exemplos foi a estreia, em novembro passado, de 2012, um filme com direção de Roland Emmerich.

Entre outros pontos interessantes, o enredo destaca o adiamento da comunicação à população sobre a catástrofe, já atestada por técnicos, por interesses políticos. A verdade, quando postergada, só tem mesmo que terminar em tragédia. Embora seja subliminar (será?), o filme sugere que o planeta todo está em crise e chegará ao fim com uma sucessão de tsunamis, mudanças climáticas e terremotos, entre outras tragédias. Seria um recado para os líderes mundiais que se encontram na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), em Copenhague?

Escolha entre envelhecer e preservar

Mudanças climáticas já vêm ocorrendo há muito tempo. Para as ONGs Greenpeace e TckTckTck, o melhor a ser feito antes que seja tarde é chamar a atenção de líderes mundiais para  a importância do tema.

Foi por esse motivo que as duas organizações lançaram uma campanha no aeroporto de Copenhague que clama por ações mais concretas de dirigentes mundiais. A iniciativa acontece uma semana antes da  conferência sobre clima a ser realizada naquela cidade. Até Lula não foi poupado…

Comunicação para práticas sustentáveis

O Grupo Santander Brasil lançou na semana passada o Amigo de Valor, uma importante iniciativa que, como definido no programa, “facilita aos clientes, funcionários e fornecedores do Banco Real, do Banco Santander e das empresas que fazem parte do grupo o direcionamento de recursos financeiros aos Fundos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente”.

Também entrou no ar uma campanha do Banco Real, que, por intermédio de um personagem, o usuário é convidado a conhecer a importância de atitudes e práticas sustentáveis. O site da nova campanha está disponível neste link. Ao preencher um cadastro, é possível também fazer um curso on line sobre sustentabilidade.

É mais simples do que parece

E por falar em sustentabilidade, há quem entenda que isso signifique altos investimentos. Pesquisa da Fortune 1000 mostra alguns mitos que impedem empresas de adotar práticas que contribuam para o meio ambiente e para seu próprio desenvolvimento.

Um bom resumo está nesta matéria da HSM. Também é parte das atividades de profissionais de Comunicação e Marketing ajudar na desmistificação desses pensamentos contraditórios às boas condutas em responsabilidade socioambiental.